Inglês? “Ah, esse semestre não dá, pois estou sem tempo livre”. Faculdade? “Não tenho dinheiro, e para fazer em qualquer faculdade, prefiro não fazer”. Academia? “Faz anos que não pratico esportes, acho que vou iniciar com caminhadas”. Regime? “Até faço, mas não abro mão de doces, cerveja, massa e muito menos carne vermelha”. E assim a vida segue, de desculpa em desculpa… Eu te pergunto: até quando? As oportunidades que a vida apresenta são, muitas vezes, ingratas: chegam de repente, passam voando e demoram a aparecer de novo. Pois é, goste ou não, é assim que funciona mesmo. Ou estamos preparados e agarramos as chances, ou elas nos escapam por entre os dedos, nos cabendo apenas lamentar o que foi perdido.

Inglês. Faz tempo que você sabe a importância de aprender inglês para batalhar por melhores oportunidades profissionais. Mas uma preguiça enorme toma conta, e a busca por soluções milagrosas começa: “conheça nosso método, e saia falando em 3 meses!”. Ou então, você até faz matrícula no curso, mas falta mais do que vai. Seu “aprendizado” se resume apenas às horas de aula, e nada mais. Resultado: frustração! O máximo que consegue dizer é “the book is on the table“. E olhe lá!

Faculdade. Já se foi o tempo em que ter nível superior era sinal de status e glamour profissional. Hoje em dia, é condição de empregabilidade. É ter ou não ter, e pagar o preço. Uns pensam que ter um diploma é a única missão de fazer curso superior, e não se preocupam nem um pouco em aprender algo. Dificilmente, obterão êxito agindo assim. Outros, fogem de boas escolas, com as mais variadas desculpas: “Ah, lá precisa estudar muito…”, ou “Prefiro estudar mais perto de casa, ao invés de atravessar a cidade”. Desculpas, desculpas e mais desculpas. Ao invés de utilizar os anos dedicados ao ensino superior para aprender novos conceitos e fazer contatos, ficam tomando cerveja no bar em frente à faculdade.

Academia. O cidadão sobe um lance de escada de 10 degraus e chega bufando. Colesterol e triglicérides nas nuvens, e o fanfarrão botando mais gordura para dentro da pança. Quando anda de transporte público, fica com tamanha cara de cansado, que a velhinha quase levanta do assento reservado para ceder o lugar. E a academia? Sempre no mês que vem, ou no próximo semestre. Junto, aparecem a baixa auto estima e a falta de vontade de sair de casa e de se relacionar com amigos e parentes.

Regime. Um dia minha filha me perguntou: “Papai, por que tudo que é gostoso faz mal, e o que é ruim faz bem?”. Resposta: “Quando chegar ao céu, se para lá eu for, será minha primeira pergunta para Deus!”. Enquanto essa resposta não aparece, não tem muita alternativa: precisamos nos esforçar ao máximo para resistir às delícias engordativas, ou pagar o preço de uma dieta hipercalórica. Perder peso, nem é tão difícil assim, comparado à dificuldade em mantê-lo em patamares razoáveis. Sempre é mais fácil xingar a nutricionista, do que seguir suas recomendações. Difícil mesmo é fechar a boca e manter uma dieta saudável.

Enfim, há muitos outros exemplos de desculpas esfarrapadas que damos à nossa falta de vontade de sair da rotina. Temos dificuldade de enxergar os benefícios que virão, mas uma grande facilidade em elencar os diversos motivos que nos impedirão de fazer aquilo que deve ser feito! Chega de dar desculpas para os outros e para si mesmo! Saia da zona de conforto e enfrente a vida! Vá conhecer novas pessoas, relacionar-se com as que já conhece, pois o mundo acontece é do lado de fora de casa. Se não for atrás de sua felicidade, ninguém fará isso em seu lugar!

Anúncios