Currículo bom não é garantia de emprego, mas ruim é certeza de fracasso. Sendo assim, sugiro 6 dicas importantes para você considerar quando estiver montando o seu. 

1. Palavras-chave

Cada área tem as suas. Não importa se o filtro seja feito por computador ou via recrutador, existem palavras que devem estar presentes no seu CV, ou cadastro on-line. Geralmente, são algumas certificações específicas, rotinas especiais, conhecimentos bem restritos ou até generalidades que só se aplicam ao seu setor. Não importa! O profissional de cada departamento sabe quais são, e deve inclui-las, custe o que custar.

2. Resumo impactante

O resumo fica na parte superior do CV, e revela quem é você em um flash que dura no máximo 5 segundos. São 3 ou 4 frases sobre sua vida profissional, que condensam o que de mais impactante e relevante sua carreira apresenta. Por isso, nada de embromar com as típicas frases: “profissional íntegro”, “trabalho bem em equipe” ou a malfadada expressão “profissional orientado a resultados”!

3. Sem erros

Não estou falando apenas a respeito dos erros de português, que são mesmo inadmissíveis, mas também de outras inconsistências. Exemplo: “profissional detalhista”, mas que não se atenta a erros de digitação. Outro dia, uma profissional de excelente formação tinha em seu perfil do LinkedIn “engenheira mecâinca”, ao invés de “engenheira mecânica”. “Ah, isso é bobagem”, alguém pode afirmar. Eu, porém, digo que não é! Em vagas de primeira, em empresas de primeira, um detalhe bobo pode ser a diferença entre a contratação ou não.

4. Informações mais importantes primeiro

Além do resumo, citado no item 2, não se esqueça de colocar na sequência aquilo que já tenha feito de mais importante: tem MBA? Estudou em faculdade de ponta? Fala 3 idiomas? Trabalhou em alguma empresa de referência no mercado? Enfim, o que for mais relevante vem na frente, ou muito destacado.

5. Resultados, resultados e mais resultados

 Outro assunto difícil de convencer os que procuram por emprego. O modelo mental de quem monta um CV é dizer o que sabe e o que faz. Não teria problema algum, se todos seus concorrentes não fizessem exatamente a mesma coisa. Aí vem minha pergunta: se você fosse o recrutador e estivesse realizando uma seleção na qual recebeu 50 currículos com as mesmas informações, qual seria seu critério para diferenciar o melhor de todos? Daí a importância dos resultados. Dez profissionais podem realizar a mesma atividade, mas se um deles produz o dobro com metade do recurso, certamente revelou-se muito mais competente que os demais. Deixe seus bons resultados falarem por si.

O que brilha mais seus olhos: “ajudei a melhorar o lucro da empresa”, ou “aumentei as receitas em 30%, enquanto reduzi as despesas em 15%”? É igual, só que diferente!!! Quem lê, entenda!

6. Menos é mais

Todos os dias, tento convencer as pessoas que falam comigo de que seus currículos raramente serão lidos. Outro dia, um cidadão ficou muito feliz, pois graças à minha orientação, seu CV reduziu de 13 para 5 páginas! Elogiei o esforço, mas disse que deveria ficar em, no máximo, duas. Se ele arrumou ou não, não sei. O que eu sei, é que sejam 13 ou 5, ou quem sabe até 2, ninguém presta a atenção que gostaríamos no nosso CV, então, seja realista e coloque tudo que importa no menor espaço possível. Simples assim.

Revisite seu CV com essas 6 dicas e, se estiver convencido, deixe-o mais competitivo e com mais chances de agradar aos que o analisarem. Boa sorte!*

Eng. William Mazza

* adaptado do artigo “6 quick resume tips that can make a big difference

**também realizo análises minuciosas de CV e perfil de Linkedin, além de ter bolado a “Estratégia de Recolocação Profissional do WMazza em 10 passos” – Conheça!!

Anúncios