Você sofre do “mal de Gabriela”?


Deixe-me explicar antes que alguma Gabriela me xingue! Refiro-me à música da Gal Costa, intitulada “Gabriela”. Veja um trecho da música: 

Eu nasci assim, eu cresci assim,
E sou mesmo assim, vou ser sempre assim:
Gabriela, sempre Gabriela!

 

Obviamente, não há problema algum em se chamar Gabriela, que aliás é um nome lindo! Chamo “mal de Gabriela” aquela postura de fazer tudo sempre igual, rejeitando o novo da maneira como a letra menciona.

Quem nunca ouviu a malfadada frase “aqui sempre foi assim…”? Tenho certeza de que todos já se depararam com resistência à mudanças no ambiente de trabalho. A verdade é que nos acostumamos a fazer as atividades do dia a dia da mesma maneira, e quando uma nova ideia ou processo surgem dá aquele medo de perder o controle e ter que lidar com o inesperado.

Não tenho dúvidas em afirmar que essa postura – do mal de Gabriela – não vai te levar longe na vida profissional! Se você for tachado de turrão, resistente e cabeça-dura, é questão de tempo para que te troquem por outro profissional com mente mais aberta!

Reflita como nossa vida mudou nos últimos 20 anos graças às inovações tecnológicas. Muitos ainda resistem ao Uber, imaginando-o inimigo número 1 dos taxistas. Não é! Esse aplicativo mostra que é possível praticar preços baixos e com alta qualidade. Também não adianta demonizar o Spotify, nem as impressoras 3D, nem outras novidades que vieram para ficar! Nada deterá o novo!

Mesmo assim, vai seguir resistente? Depois, não diga que não avisei.

Eng. William Mazza

Anúncios

4 comentários em “Você sofre do “mal de Gabriela”?

  1. A maioria das pessoas diz querer mudanças, dizem que precisa haver mudanças, que se não mudar não vai mais dar, etc…, tanto no social como no corporativo, mas quando entramos no pessoal e perguntamos quem quer mudar a porca torce o rabo!

    A pergunta é mudança se produz em nós para o mundo, ou o do mundo para nós somente, aquelas inevitáveis que teremos que nos adaptar de qualquer forma?

    Por que temos que ser tão resistentes em abrir mão da zona de conforto, a ponto mesmo de nos tornarmos irresponsáveis?! Este tipo de ação ou inação, dependendo do ponto de vista, se tornou comum em ambientes corporativos, agora observamos que ele contaminou absolutamente todos os ambientes, isto é terrível, estamos doentes, nossa doença chama-se irresponsabilidade!

    Saudações fraternas,

    Curtir

      1. Infelizmente encontramos várias pessoas com este mal, isso quando não diz ” Time que está ganhando não se mexe”. Esquecemos que a tecnologia muda a todo instante e que devemos inovar sempre.

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s