Em tempos de crise, a concorrência para vagas de trabalho assusta: 50 ou mais candidatos por vaga torna-se um padrão comum. Como não se desanimar frente a tamanha concorrência? O que fazer para ser o escolhido?

Toda seleção de profissionais trará muito mais frustrações do que alegrias, pois obviamente o número de candidatos é sempre bem maior do que o de vagas disponíveis, ou seja, muita decepção, pouca alegria. Normal, trata-se de pura matemática. Agora, a pergunta é uma só: como se tornar o “alegre” no mar de decepção?

Eu diria que é um mix entre sorte-oportunidade-empatia-preparo!

Por que sorte?

Porque é preciso abrir uma ou mais vagas exatamente naquilo que você trabalha. Isso está ZERO por cento em suas mãos!

Por que oportunidade?

Porque além da sorte, o perfil desejado precisa estar o máximo possível alinhado ao seu: formação, idioma, experiência, senioridade, local de trabalho, etc. Qualquer desses itens que se distancie de você, mais próximo fica de outro candidato.

Por que empatia?

Identificar-se com os recrutadores e futuros gestores é fundamental! E nem sempre o “santo” bate! Em outras palavras, é difícil encontrar afinidades com tantas pessoas diferentes, na medida em que todas poderão decidir seguir contigo ou não adiante no processo. Mas sempre há aqueles que obtém êxito nessa missão.

Por que preparo?

Muitos vão às entrevistas com a cara e a coragem, pensando erradamente: “eu sou assim, e se for para dar certo, então era para ser!”. Torça para que seus concorrentes ajam dessa forma, pois você que é muito inteligente tirará proveito dessa postura equivocada!
Preparo é fundamental numa entrevista! É muito diferente e fácil de perceber a diferença entre o candidato bem preparado e aquele que apenas participa do pleito. Essa é a parte que mais depende de você, por isso, prepare-se com afinco!

Se eu tivesse que estimar (afinal, engenheiro não chuta nunca… rs), diria que a importância percentual desses 4 itens seria:

  • sorte: 50%
  • oportunidade: 30%
  • empatia: 10%
  • preparo: 10%

É isso mesmo! 80% não dependem (tanto) de você, infelizmente! A diferença de quem é aprovado ou não está nos detalhes. Já viu final olímpica de 100m rasos? Já reparou a diferença de tempo na chegada entre o primeiro colocado e o último? Eu te digo! Não passa de 1 segundo!!!! Quero dizer com isso que qualquer detalhe omitido ou desprezado pode ser a grande diferença entre vencer ou não!

Meu conselho é que você faça seu melhor naquilo que depende de sua postura! Não tem dor pior do que ficar em segundo lugar numa disputa, ainda mais naquela que pode mudar sua vida totalmente. Claro, às vezes, a gente encontra um Usain Bolt pela frente, mas então, se for para perder, que seja para ele. E somente para ele. De resto, é possível sim ser o vencedor!

Boa sorte… e bom trabalho!!!

Eng. William Mazza

*também realizo análises minuciosas de CV e perfil de Linkedin, além de ter bolado a “Estratégia de Recolocação Profissional do WMazza em 10 passos” – Conheça!!

Anúncios