Acontece assim, de repente. Em um dia você está reclamando do excesso de trabalho, da falta de tempo, da falta de reconhecimento e no dia seguinte está demitido.
De repente se sente invisível.

Quando se perde um emprego, não se perde somente a estabilidade financeira, mas a rotina, o contato com os colegas de trabalho, aqueles que com o tempo já pareciam fazer parte da sua família. O seus caminhos mudam, porque aquele caminho de todo dia já não faz mais parte da sua rotina. É preciso tirar o pijama e se vestir para não ir a lugar nenhum. E além disso tudo, tirar força, sabe-se lá de onde, para seguir em frente, mesmo sem ter a menor ideia de onde ir.

Enquanto sua rotina muda completamente, da noite para o dia, a vida de todos a sua volta permanece igual. Os amigos não ligam com frequência, porque já não ligavam antes, mas agora que você tem tempo, começa a perceber a ausência. A vida do resto da família e a rotina de sua casa seguem sendo as mesmas. E no meio dessa loucura que é a vida, está você, desempregado, sem pressa e com todo o tempo do mundo, o tempo que você sempre desejou e que agora que tem, mas que não faz a menor ideia do que fazer com ele.

Quando tudo permanece igual e você não, você começa a achar que ficou invisível.
Você precisa de um novo emprego porque as contas não vão parar de chegar e então para de se lamentar, arregaça as mangas e começa a trabalhar duro nas tentativas de se candidatar para vagas, nos pedidos de apoio aos amigos e conhecidos e na reconstrução do seu networking. Tudo parece estar encontrando o seu lugar e você finalmente acredita que tudo vai dar certo. Mas, de repente aquela vaga que era a sua cara desaparece e o headhunter, que um dia atrás parecia tão interessado, some. A conversa inspiradora não surte o efeito em indicações de currículo que você esperava e seus amigos parecem não querer tanto que você consiga um emprego como você quer.

Depois de tanto tentar e nada conseguir, você constata que é de fato invisível.
A grande verdade da história é que ninguém quer tanto arrumar um emprego para você mesmo, como você quer. Essa é a sua prioridade e de mais ninguém e a sua rede vai te apoiar, mas não fará nada além disso. Errado é você em pensar assim e gerar essas expectativas irreais para você mesmo porque nesse processo, tudo que você não precisa é se frustrar.

Você demora para entender que precisa fazer a sua parte, que sua conquista é sua prioridade e de mais ninguém, que o “não” faz parte do processo de busca e ele mostra que você está tentando e evoluindo, que a direção é mais importante do que a velocidade, que você é muito bom no que faz, que existe uma forma incrível de vender sua experiência, que estabelecer contato com novos profissionais pode ser enriquecedor para a sua carreira e você levará isso para sempre, que é preciso plantar para colher, que não existe fórmula milagrosa, que você precisa se valorizar e conhecer o seu valor e que você é muito mais capaz e corajoso do que imagina. Você demora para entender que você precisa muito de você!

Faça a sua parte e entenda suas prioridades. Dessa forma vai concluir que definitivamente você não é invisível, o que precisa é se fazer notar.

 

Sabrina Almeida Pinho

Blog Sonhos e Devaneios

E-mail: sabrinasbn@hotmail.com

Perfil de LinkedIn

Anúncios