Coerência significa principalmente uma coisa estar em harmonia com fim ao qual se destina. Contudo, quando nos falam sobre a vida e o mundo do trabalho, raramente, nos falam sobre sermos coerentes conosco em nossas ações e escolhas. Mas o que é ser coerente consigo mesmo? Ser coerente não é ser bom ou ruim, é simplesmente não cair em contradição, não ser confuso. Todavia, isso não se resume a uma fala ou ação, trata do conjunto de ações e falas de um indivíduo.

No mundo atual somos afogados todos os dias por uma enxurrada de informações e precisamos escolher quais ler, acreditar e/ou aprofundar. E assim como são as coisas também são as pessoas. Como devo observar e triar todos os dias a quem dar confiança e decidir quem merece credibilidade? Pra isso não existe guru, não existe manual, não existe guia e nem sequer receita.

Portanto, não pretendo ensinar nenhuma receita de bolo ou escrever um manual para escolher pessoas ou informações. Pois sou daquelas que não segue as receitas de bolo alheias, nem pra fazer meus bolos (literalmente) !!! Repare bem no que eu disse: Eu não sigo receitas alheias para alcançar os meus resultados. Como assim? Eu crio as minhas próprias receitas, mas como?

Posso conversar com o João, com o Clóvis e com a Maria, posso pedir as suas opiniões e conselhos. Entretanto, querer imitar e copiar as suas atitudes só me trará problemas. Posso e devo me inspirar em exemplos alheios para construir o meu próprio caminho. E para criar algo sempre precisamos de referências, mas quais devem ser acatadas e quais devem ser descartadas? Isso é pessoal e intransferível!

E é simples, muito simples!!! Porém, simples não significa fácil, nem rápido. Pergunte-se: isto realmente combina comigo? Como eu me sinto em relação a esse caminho? O que eu ganho em fazer X? O que eu perco em fazer Y? O que eu de fato quero? O que é mais importante para mim? Nos aspectos pessoal, profissional e outros. E mais tantas quantas perguntas considerar necessário.

Responder com sinceridade a essas perguntas podem nos livrar de roubadas que vão desde: uma azia, um corte de cabelo bagaceira, trabalhar em um lugar horrível com pessoas horríveis e até uma vida pessoal profundamente infeliz. O processo de compreensão pessoal, como todo processo não tem fim. Você está no piloto automático de projeto em projeto, ou se questiona de fato antes de embarcar na próxima tendência? Lembre-se de que, andar na moda é ser cafona com três meses de antecedência!! Mas se você segura o carão de ser cafona com propriedade, muito bem!!

Em suma: seja coerente com você mesmo que todo o resto se encaixa. Agora, como ser coerente com você mesmo, só você pode criar esse caminho. Eu disse que não daria receitas, traria questionamentos!!!

 

Natalie Supeleto

Mestra em Artes e Pesquisadora de Mercados Culturais e Simbólicos

Contato: natalie.supeleto@gmail.com

Perfil de LinkedIn

Anúncios